domingo, 27 de maio de 2018

Rumo ao hexa #sqn

Eu tenho problema, eu sei. Daqui menos de 12 horas vou estar voando para um destino de sonho, mas depois de tanto planejamento pra me programar e conseguir ficar uma semaninha longe do trabalho, seis longos dias longe da minha filha, com todos os malabarismos no orçamento para fazer essa viagem merecida acontecer, agora estou aqui... com um nó na garganta, querendo ficar! O que isso tem a ver com a Copa do Mundo? Nada! Ou tudo? Explico no texto pré-viagem. 


O "drama" começou na quarta ou quinta-feira. Antes disso, eu era só expectativa pela minha primeira viagem "de verdade" depois de cinco anos! Cinco anos porque, depois que minha filha nasceu, as viagens ou foram para ela ou foram viagens "relâmpago", como três diazinhos no carnaval ou algum outro feriado prolongado, nunca mais do que três dias. Então minha empolgação tinha motivo, já que viajar é o que eu mais amo na vida, já que havia até reativado o blog, já que tinha planejado cada detalhe. Só que aí as consequências da greve dos caminhoneiros começaram a se agravar... e meu cérebro mudou a chave do "modo viagem" para o modo "preciso salvar o Brasil".

Como eu avisei - logo no início - eu tenho problema. Eu me envolvo demasiadamente com tudo ao meu redor, mesmo aquilo que está fora do meu controle. O que eu posso fazer pelo Brasil? Nada. Absolutamente nada. Ah, claro, posso ser honesta, posso pensar coletivamente, posso votar com consciência, etc, etc, etc. Posso ir lá socar a cara do presidente? Gostaria muitíssimo, mas não posso. Posso mandar os empresários e a galera que manda na coisa toda parar de pensar só em si mesma e ajudar a construir um Brasil para todos e não só para atender seus próprios interesses? Também adoraria, but I can't. Mesmo assim eu não consigo manter a mesma alegria e empolgação enquanto as coisas aqui, "no meu quintal", estão complicadas.

A gente sabe que sempre tem, em algum lugar, alguém com problemas. Alguém passando fome. Alguém morrendo na guerra. Alguém em sofrimento por algum motivo. Seja uma pessoa ou um país inteiro, sempre tem. Só que essa coisa generalizada e tão perto de nós é diferente pra mim. Eu, que por natureza já fico ligada nas notícias 24 horas, fico com uma necessidade louca de saber o que está acontecendo... e o pior: de entender o que está acontecendo! Só que, hoje, a gente sabe: quem acha que está entendendo alguma coisa é porque não entendeu nada! 

Então desde o meio da semana minha adrenalina pré-viagem desceu pro pé! Não conseguia nem pensar que em poucos dias eu estaria, enfim, embarcando. É como - nesse exato momento - o Fantástico exibindo uma reportagem sobre lobos, filhotes fofinhos em campos de algodão... enquanto o circo pega fogo! Tipo, não faz sentido! É como eu me sinto ao pensar em viagem com tanta coisa mais importante no país acontecendo. 

Sei que estou "errada", que preciso desligar! Pensei isso quando vi, no meio da tarde, a imagem do avião da seleção brasileira embarcando para a Copa do Mundo (enfim explicando a comparação). É como os lobinhos canadenses correndo livres nos campos de algodão... a casa caindo e a seleção - uhú - rumo ao hexa! E olha que eu não sou daquela turma que não torce pelo Brasil como forma de protesto pela situação do país. Não sou aficcionada, mas curto a festa, a torcida e tals, acho que faz parte! Só que hoje - talvez por saber que logo mais sou eu dentro do avião - fiquei pensando que no lugar deles não conseguiria estar em clima de festa. 

Aí lembrei de uma frase que ouvi também hoje, durante uma conversa sobre a greve dos caminhoneiros: "o importante é que meu tanque está cheio". Tá aí! É isso que muita gente pensa, era isso que eu deveria pensar, talvez? "O importante é que no aeroporto de Guarulhos não falta combustível e eu vou viajar"! Eu sempre digo que o egoísmo deve ser libertador... mas eu abro mão dessa "liberdade" porque é assim que me sinto humana. Estou, sim, animada pela minha viagem, mas embarco com o pensamento em tudo o que rola por aqui. Sei que mesmo lá vou olhar as notícias no fim do dia e, mesmo cada vez mais incrédula, vou pedir aos deuses incas que mandem boas energias para tudo e para todos. Partiu, Peru!

:)






Nenhum comentário:

Postar um comentário