domingo, 15 de outubro de 2017

Vai com quem?

Vou sozinha, uai! Essa tem sido, há algum tempo, a resposta pra pergunta que dá título a esse post. Hoje estou com vontade de escrever e resolvi falar sobre um "drama" (entre aspas porque na real é uma bobeira) que eu e muitas mulheres enfrentamos em pleno século XXI... o fato de a sociedade não aceitar que uma mulher pode estar sozinha, viajar sozinha, ir pra balada sozinha, passar o fim de semana inteiro sozinha POR OPÇÃO! A parte os riscos a que uma mulher, estando sozinha, infelizmente está sujeita, qual o grande problema em fazer quase tudo sozinha? Pra mim não é problema, não! É solução! Textinho pra gente pensar bem antes de falar pra uma mulher: "ah, mas logo você encontra alguém"... e também para eu me preparar pra minha próxima viagem que - sim - vai ser sozinha!


A foto acima é de duas semanas atrás, voltando de trem de São Paulo, onde fui ver uma exposição e depois peguei um cinema... sozinha. O vagão estava vazio porque já era bem tarde, então eu estava sozinha em todos os sentidos da palavra "sozinha", por isso resolvi fotografar esse momento delícia. Eu adoro estar sozinha! Normal, né? Super normal. Só que não! Pra maioria das pessoas parece que, estar sozinho, é sinônimo de fracasso. Digo isso pelas coisas que ouço há pouco mais de um ano e meio, quando decidi me separar. Muita - mas muita gente mesmo - incluindo meu ex-marido, me disse: aposto que você tem outra pessoa, ninguém decide se separar pra ficar sozinho. O tempo mostrou que todos que me disseram - ou pensaram - isso estavam errados. Ficar sozinho pode ser sim uma escolha, por que não? Eis aí a pergunta que não quer calar.

Poderia escrever um textão sobre a sociedade patriarcal que pressupõe que toda mulher que está sozinha é porque foi rejeitada, mas vou poupar meus leitores já que este é um blog de viagem! E aí esbarramos em mais um entrave que é "mulheres que viajam sozinhas". Thanks God que, hoje, isso tem se tornado cada vez mais comum. Pipocam na mídia e nas redes sociais histórias de mulheres que caem sozinhas na estrada... mas sempre que leio esses relatos vejo que elas passam por muitas das situações e enfrentam muitos dos julgamentos aos quais eu - na minha pequenez e insignificância - também sou submetida. "Vai sozinha??? Você é louca???". Perdi a conta de quantas vezes já ouvi isso.

Sim, sou louca, obrigada. Ser "louca" pra mim virou elogio desde a primeira viagem internacional que fiz sozinha, ainda casada. Eu estava grávida de seis meses e fui sozinha pra Miami fazer meu enxoval. O relato dessa viagem está aqui. Foi incrível! Primeiro porque o universo subestima demais a gestante. É como se uma mulher grávida fosse uma mulher doente, incapaz. Isso me irritou MUITO na gravidez. Segundo porque viajar sozinha - num mundo em que a capacidade de uma mulher fazer absolutamente TUDO sem um homem por perto é frequentemente questionada - é como poder provar pra si mesma que o mundo está errado! Sim, você é capaz de tudo, não precisa de homem nem pra carregar as malas (e olha que eu voltei de Miami com MUITAS malas)!

Depois dessa experiência de arrancar olhares de reprovação por estar viajando grávida AND sozinha, recentemente vivenciei também o julgamento sem fim por viajar sozinha com a minha filha de 3 anos. Eu, ela e mais ninguém. Fomos para Bariloche, na Argentina, o relato está aqui. Num destino onde quase a totalidade dos turistas é formada por brasileiros, em sua maioria famílias tradicionais - com pai, mãe e filhos - ouvi muitas vezes a pergunta: mas você está sozinha com ela? Quem não perguntava, naturalmente procurava o "homem" que "faltava" ali do nosso lado. Imagino que, com os homens separados que viajam sozinhos com seus filhos, isso também aconteça, das pessoas perguntarem: cadê a mãe? Ainda assim não tenho dúvidas de que uma mulher dando conta dos perrengues de uma viagem sozinha com uma criança ainda desperte mais estranheza. 

"Estranheza", aliás, acho que é a palavra que define bem essa vida solitária. As pessoas não se conformam que você possa estar sozinha e feliz! No Ano Novo fui para o Rio de Janeiro sozinha. No Carnaval, idem. Sabia que haveria gente conhecida por lá, nos encontramos, fizemos coisas juntos, mas essencialmente eu estava sozinha. Lembro de, Carnaval, todo mundo andar em bandos pelas ruas e estações do metrô e eu - toda fantasiada - despertava mesmo essa "estranheza" por estar sozinha indo de um lado para o outro indo encontrar os amigos.

Amigos. Outra questão que mulheres "sozinhas" precisam lidar. Nessa fase dos trinta e tantos anos, a maioria dos amigos estão casados... e uma mulher sem um par vira um "problema". Entre as pessoas que estão num relacionamento sério, as "amigas" passam a te ver como uma ameaça. Afinal, você está sozinha, então É CERTEZA que você está querendo um homem e É CLARO que você vai dar em cima do homem dela. Nossa, que preguiça sem fim! Aí, entre os homens - pasmem - a mulher sozinha passa também a ser uma ameaça porque muitos - muitos mesmo! - julgam que você vai fazer a cabeça das outras mulheres para que elas também se separem e caiam na gandaia com você. É tanta preguiça junta que nem sei dizer. O fato é que estar sozinha também seleciona os amigos. Poucos ficam, aliás, pouquíssimos. Só os muitíssimo verdadeiros.

Bom, então cá estamos: poucos amigos e sem um homem ao lado. Não importa se essa é sua escolha, sua opção mais genuína. Você é vista como fracassada. Não esqueço que, há uns meses atrás, namorei um rapaz. Quando as pessoas souberam disso, o que eu mais ouvia era: "estou tãaao feliz por você estar com alguém"! "Que bom que finalmente você está namorando". "Que ótimo que você não está mais sozinha". Gente, estar com alguém é ótimo sim, mas antes de namorar eu também estava felicíssima sozinha! Mania de todo mundo achar que, se você está só, você está infeliz! Não! Ao contrário! Estar sozinha por opção - pra mim - é a maior demonstração de que você enfim atingiu um nível acima do amor! O amor próprio! A felicidade em estar consigo mesmo, sem depender de um terceiro pra estar feliz, pra mim é o apogeu. Porque fomos ensinadas, desde pequenas, a esperar um príncipe. E conquistar a auto-suficiência da felicidade é uma quebra de paradigmas que incomoda muita gente.

Por falar em incômodo, outra coisa que quem escolheu ficar sozinho tem que enfrentar são os infindáveis comentários imediatamente que seus ex-maridos ou ex-namorados ou ex-peguetes se envolvem com alguém. "Você viu, o fulano já está namorando com outra". "Olha a foto que ele postou com a namorada nova". "Olha onde eles foram". "Olha como ela é bonita". Que bom pra eles, né gente? Ou não! Nunca sabemos a real dos relacionamentos. Já está com alguém porque não consegue ficar bem sozinho? Ou pra ser aceito pela sociedade (sim, quem tem alguém é muito mais socialmente aceito)? Pra provar algo pra si mesmo? Tomara que não, tomara que seja amor genuíno porque amar alguém e ser amado é maravilhoso!

Opa que aí chegamos em outro ponto: das pessoas acharem que você está sozinho porque foi mal amado ou porque foi infeliz no amor ou porque nunca amou de verdade. Eu fui muito feliz no amor, já me senti muito amada, mais de um vez inclusive e acredito verdadeiramente no amor! Só não acredito no amor eterno - aquele que "tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta". Acho que amor acaba, como tudo na vida. Muda, se transforma. Admitir isso foi, pra mim, um grande passo nessa viagem em busca do amor mais importante que existe, que é amar a si mesmo. Amar tanto a si mesmo a ponto de ter vontade de ficar sozinho. Eu estou vivendo apaixonadamente essa vontade que, sim, pode ser momentânea. É bom demais ter alguém e acho sim que um dia vou ter outra (s)  pessoa (s) de novo, aliás, eu tenho certeza disso, mas não tenho pressa.

Por enquanto, desfruto a delícia da minha própria companhia e estou planejando - comigo mesma - mais uma viagem sozinha, pro ano que vem. Mais uma pra quando me perguntarem: "Vai com quem"? Eu responder: "Vou sozinha, uai"! Não tem melhor companhia, não! Ah, mas se quiserem me convidar pra viajar, passear, tomar uma... aceito também!

Até mais! 😉




2 comentários:

  1. Você simplesmente arrasa!!! Traduziu em palavras meu sentimento! Vanessa Freire

    ResponderExcluir
  2. Amei! Vc é Maravilhosa! Se eu trabalhasse com viagens lhe contrataria para viajar e escrever relatos para minha empresa! Mais um texto excelente! Tenho pena de quem tem vontade, grana e deixa de viajar por falta de cia. Mais pena que de nós que não viajamos mais por falta da grana...

    ResponderExcluir