sábado, 5 de outubro de 2013

O preço e o valor de uma viagem

Depois de explorar cada canto da Igreja do Domo dos Inválidos, além do hotel e do museu que fazem parte desse incrível complexo napoleônico, em Paris, segui em frente me sentindo mais repleta de conhecimento do que nunca! Ainda respirando história, arte, cultura e arquitetura, mal tive tempo para me "recompor" diante de tanta informação quando me deparei e me rendi à beleza do Grand e do Petit Palais, logo ali! Mais a frente, foram as maravilhas da ponte Alexandre III, a mais adornada de Paris, que me encantaram! Ao atravessar, chegando na outra margem do rio Sena, olho para o lado esquerdo e lá está ela: Avenue des Champs-Élysées, um dos endereços mais caros e luxuosos da Europa! Minha vontade era correr! Não para ver as lojas badaladas, das marcas mais cobiçadas do mundo que se espalham por toda avenida... mas para chegar o quanto antes ao monumento que se enxerga de longe! O Arco do Triunfo! Não corri... afinal, eu estava em Paris, onde tudo é contemplação! Segui calmamente pela Champs-Élysées pensando sobre esse post que, oportunamente, escrevo agora! Quanto vale e quanto custa uma viagem? Pra entender, só lendo até o final!


Esse post aí, acima, rola de tempos em tempos nas redes sociais e, na minha opinião, é o mais verdadeiro do mundo! Para mim, dinheiro bem investido é aquele que se gasta com viagem, qualquer viagem! Não importa para onde você vá, você nunca vai voltar igual, sem ter sido tocado por algo que viu, sem ter aprendido uma coisa nova, sem ter conhecido uma pessoa ou um jeito de viver diferentes daqueles que você já havia visto. Nada pode tornar uma pessoa mais "rica" do que uma viagem, nunca tive dúvidas disso! Por que, então, esse pensamento não saía da minha cabeça exatamente enquanto eu percorria as calçadas largas, lindas, cheias de lojas da Champs-Élysées, se essa era uma certeza que eu sempre tive? Explico: aquele era meu primeiro dia em Paris depois de ter passado outros sete dias em Londres. Minha primeira vez na Europa, o berço de tantas histórias que aprendemos desde crianças na escola! O que pode ser mais "enriquecedor" do que estar ali? Ter dinheiro para entrar em uma das lojas da Champs-Élysée e gastar o quanto quiser??? Não mesmo!

Ok, alguém pode pensar que digo isso porque eu realmente não tenho e provavelmente nunca vou ter dinheiro para fazer compras - ainda por cima, em euros! - em uma daquelas lojas! Pois o que eu me questionei ao olhar aquelas vitrines luxuosas, ao cruzar a Champs-Élysées de uma ponta a outra, foi exatamente isso! Será que, se eu tivesse dinheiro, eu trocaria o tempo em que eu poderia estar percorrendo museus, igrejas, pontos turísticos ou simplesmente andando pelas ruas para conhecer um novo lugar pelo simples ato de comprar??? Respondi de pronto a essa minha pergunta ao lembrar de outras viagens que fiz. Mesmo nos Estados Unidos, onde comprar é algo simplesmente imperdível pelos preços dos produtos em comparação com o Brasil, eu fazia as compras voando para poder voltar a fazer o que importa para mim em uma viagem: conhecer o lugar! Em Orlando, cheguei a ir às compras de madrugada para não perder o precioso tempo que tinha para aproveitar ao máximo cada parque! No Chile (onde, eu não sabia, mas tem muuuita loja barata), eu brigava com meu marido porque ele queria entrar em todas as lojas para experimentar cada um dos casacos de frio a preços de banana que encontramos por lá! Mesmo em Londres, onde a mulherada "pira" nas lojas da região da Oxford Street e Piccadilly Circus, eu me perguntei: vou ficar aqui garimpando roupa barata e sendo que ainda tenho um milhão de lugares para conhecer??? Pronto, estava respondida a pergunta que fiz a mim mesma! Comprar é algo que absolutamente não tem valor algum para mim em uma viagem de turismo!!! O preço é alto, mesmo que se gaste pouco... e o que se "ganha" gastando com isso tem um valor absurdamente menor do que aquele que viagem propriamente dita vai te render!

Fiquei feliz comigo mesma por respondido dessa forma a minha própria pergunta, enquanto caminhava pelas Champs-Élysées. Depois de passar em frente a lojas como Gucci, Armani, Louis Vuitton - que, juro, não representam nada pra mim - fiquei ainda mais satisfeita ao gastar cada um dos meus suados euros no ingresso para subir no Arco do Triunfo, degrau por degrau, conhecer sua história e admirar a vista lá de cima! Isso sim é dinheiro bem gasto! Isso sim vale o preço de uma viagem! Claro que lindo mesmo seria ter tempo e dinheiro para fazer tudo isso sem comprometer o restante da viagem... conhecer tooodos os pontos turísticos, rodar a cidade inteira sem pressa e ainda poder ir as compras! Aí sim! Mas isso é coisa pra gente rica, que não tem só vinte dias de férias por ano porque vendeu os outros dez dias pra ter um din din a mais hahahahah, desgraça! Sendo esse meu caso, o que não valeria seria sacrificar as maravilhas de uma viagem pelas compras, pelo entra e sai nas lojas, pela busca por aquele produto que vai te dar algum status e nada mais. Nesse dia, em Paris, pensei que isso era - pra mim - o mesmo que não saber o valor de uma viagem!

Bom, depois de todos esses devaneios comigo mesma, anotei isso no bloquinho que carregava na bolsa: "o preço e o valor de uma viagem", que era pra eu não esquecer de escrever sobre isso na volta. Pronto, já deixei registrado aqui o que eu penso! Agora vem a segunda parte dessa história, a parte inesperada... eu, que voltei das últimas férias abominando mais do que nunca qualquer preocupação com consumismo em viagens de turismo, embarco neste domingo para uma destino totalmente... de compras! Aaaaaaaaah! Olha só como a vida é! Continuo achando que ninguém no mundo deveria trocar uma viagem de turismo por uma viagem de compras, nem um dia de turismo por um dia de compras, nem uma hora sequer de turismo por uma hora de compras em uma viagem! Acontece que, como já contei aqui no blog, estou grávida... e aí não é questão de querer ter uma roupa nova ou um tênis da moda ou uma bolsa de grife! É começar a preparar do zero a chegada de uma nova vida... e aí lá vou eu pagar minha língua para comprar o enxoval em Miami!

No começo, juro, eu resisti! Achava besteira, frescura, desnecessário! Só que colocando na ponta do lápis.... putz, inegavelmente é uma economia absurda! Se tenho então essa possibilidade, que vai ser única porque além da minha Luísa não pretendo ter outro filho, bora aproveitar! Na volta vou escrever sobre essa experiência diferente, inusitada e que - na verdade - não combina muito comigo... mas é viagem né??? Então é o que basta pra me deixar feliz da vida!!! Ao contrário do que foram as últimas férias, essa não vai ser uma viagem que vou fazer pelo "valor", mas sim pelo "preço"! Ainda assim, sendo pela minha filha, pela minha estrelinha... vale a exceção!

Beijos e até a volta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário