quarta-feira, 8 de maio de 2013

Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes


Religião não se discute, isso é fato! De qualquer forma, para quem ama viajar e conhecer novos lugares, muitos destinos estão diretamente ligados à religiosidade! Religião é história! Religião é cultura! Turismo também é história e cultura! Sendo assim, o verdadeiro viajante não pode ser muito bitolado com religião não... daquele tipo que não se permite conhecer e respeitar a religião alheia! Por exemplo, ninguém vai para a Itália e deixa de visitar o Vaticano! Ninguém vai para a Turquia e deixa de conhecer uma mesquita! Impossível ir para a China e não visitar um templo budista! Da mesma forma, não dá para estar por perto de Mogi das Cruzes (SP) - minha amada cidade! - e não conhecer a Festa do Divino Espírito Santo neste mês de maio. É sobre isso que vou falar nesse post!


A foto acima não me deixa mentir! Eu tinha um ano quando fui levada à Festa do Divino pela minha mãe pela primeira vez, à caráter! Foi em pagamento a uma promessa da minha tia Derly que fui apresentada a esse evento. É dessa minha tia também a bandeira que tenho até hoje lá em casa. Acredito que entre a maioria dos moradores da minha cidade é assim: a participação na Festa do Divino, de um jeito ou de outro, vem de família! Só por isso, esse evento já se torna especial. Para mim, particularmente, não foi participar de anjinho na Procissão de Pentecostes que fez com que eu me apaixonasse pela festa. Foi muito tempo depois, já como jornalista, ao conhecer a história desse evento, que me rendi a tudo o que ele representa. Não estou falando de religião... mas sim de história, de tradição e de fé!

São sempre onze dias de festa, na maioria das vezes no mês de maio ou junho, já que o evento sempre termina no Dia de Pentecostes, cinqüenta dias depois da Páscoa. Antes de me tornar jornalista, para mim, a Festa do Divino se resumia basicamente à quermesse. Infelizmente, é assim até hoje pra muita gente...! É claro que eu sempre soube - e até participei algumas vezes - de celebrações religiosas ou atracões culturais ligadas à festa... mas sem ter idéia do que aquilo tudo representava! Eu trabalhava no jornal O Diário de Mogi quando, em 1999, fiz a primeira cobertura da Festa do Divino. Foi aí que comecei a descobrir que esse evento tem sim uma parte religiosa, outra comercial, tem o lado social (filantrópico), um "outro" aspecto "social" (o oba-oba da socialite e seus interesses particulares), tem o seu sentido comunitário, tem seu lado simbólico... mas, muito mais do que tudo isso, tem aquilo que é a essência da Festa do Divino Espírito Santo: as pessoas que estão ali pura e simplesmente pela fé.

Quando falo em "fé" não digo especificamente a devoção à terceira pessoa da Santíssima Trindade. Nem em algo que se aprende com os pais ou com a igreja. Falo em algo que se acredita como um sentido para a vida. São pessoas com essa capacidade - de ter e manter a fé - que fazem da Festa do Divino um evento único, especial. É para essas pessoas que eu olho quando participo da Festa do Divino, seja como jornalista ou como visitante. Essas pessoas não vão estar empunhando a bandeira mais bonita... não vão estar nos primeiros bancos reservados na novena... não vão fazendo pose para fotos a todo momento. São pessoas que você encontra em cima de um carro de boi, na Entrada dos Palmitos... no ponto, a espera do ônibus que leva até a casa dos festeiros para a abertura da festa... no fim da fila do café da Alvorada, quando ela já estiver dobrando a esquina da catedral, no raiar do dia. Elas estão também tocando algum instrumento na congada e no moçambique ou dando nós nas fitas das bandeiras do Império. Essas pessoas SÃO a Festa do Divino! É para elas que eu recomendo que você, que vai visitar a festa, volte o seu olhar se quiser mesmo conhecer esse evento! Aquele olhar que nós - viajantes! - temos que ter ao conhecer um novo lugar: o olhar de quem enxerga além das aparências, de quem vai a um lugar para conhecer sua história, sua cultura, suas origens... sem julgamentos, sem querer nada - além da experiência de vida - em troca!

Não vou falar, nesse post, sobre o evento em si, mas garanto que muita coisa bacana vai acontecer para os apaixonados por viagens, inclusive o projeto Roda SP, que é uma iniciativa do Governo do Estado voltada ao turismo de um dia. Essa página do G1 tem todas as informações para quem quiser saber mais: www.g1.globo.com/sp/mogi-das-cruzes-suzano/festa-do-divino/2013. Eu vou estar, de um jeito ou de outro, na Festa do Divino! Vou trabalhar como jornalista, aproveitar como visitante e olhar como viajante! Afinal, lá se vão quase 32 anos de Festa do Divino na minha vida... sendo os últimos 14 anos na cobertura jornalística! Mesmo assim, cada ano é uma descoberta! Cada ano é único! Então... "Viva a Festa do Divino Espírito Santo! Viva"! Eu vivo!

Beijos e até a próxima!

2 comentários:

  1. LUCIANO CHERUBINI8 de maio de 2013 19:36

    Não esqueço! Eu e Eduardo Marcondes Moreira entrando na Redação da TV Diário em Mogi das Cruzes - logo nas primeiras horas da manhã – cantando “Dando água a quem tem sede, dando pão a quem tem fome". Isso depois de gravar a Alvorada e encontrar na fila do café um morador com o sobrenome “ESPÍRITO SANTO”. Para os mais céticos fizemos questão de gravar o RG. A fé em Mogi tem dessas coisas!

    ResponderExcluir
  2. Neiva Torralbo Martin12 de maio de 2013 05:02

    Emoção e agradecimento ao Divino Espírito Santo pela benção de ter essa filha maravilhosa! Parabéns Lenina!

    ResponderExcluir