terça-feira, 13 de novembro de 2012

Nasce uma viajante!


Minha família nunca foi de viajar. Primeiro porque acho que não se tinha o costume de guardar dinheiro para isso naquela época e também pelo fato dos meus pais sempre terem trabalhado como autônomos, não tinham férias uma ou duas vezes por ano como a maioria das pessoas. Então nossas viagens mais frequentes se resumiam a idas casuais até a praia. Tenho a sorte de ter nascido numa cidade bem próxima ao litoral sul de São Paulo, por isso ir para Bertioga era bem comum, mesmo que fosse de bate-volta.

Na praia pela primeira vez!
Também fomos algumas vezes para Trindade, perto de Paraty (RJ) porque meu pai morou lá um tempo, então voltamos juntos algumas vezes. Fora isso, íamos para Curitiba visitar meus tios e primas que moravam lá, mas não chegavam a ser viagens de turismo, era só mesmo para visitá-los. Na verdade acho que a única viagem que fiz como turista quando criança foi para Salvador (BA) com meus tios porque meu padrinho trabalhava numa companhia aérea e ganhou as passagens!

Enfim, viajar nunuca foi algo constante na minha infância. Depois, com amigos, namorados, até viajei algumas vezes, mas nada de mais, eram sempre idas a praias ou outros destinos próximos. Minha vida de “viajante” começou mesmo depois que conheci meu marido! Desde o primeiro ano juntos, ainda como namorados, nos planejávamos para viajar pelo menos uma vez por ano e passear em todos os fins de semana possíveis já naquele esquema: “porque tô de folga”! Eu já era jornalista quando nos conhecemos, então as escapadas nos fins de semana sem plantão para curtir algum lugar também começaram nessa época. 

Nossa primeira viagem foi para Búzios e Arraial do Cabo (RJ), 2005. Foi a primeira vez que pesquisei sobre um lugar antes de viajar, ainda assim foi uma pesquisa bem superficial... apenas li um pouco a respeito dos lugares, das praias, das pousadas. Nada de roteiro ou reservas antecipadas! Mesmo assim aproveitamos bastante, eram nossas primeiras férias juntos! Lembro que não tínhamos máquina fotográfica, pegamos emprestada da minha prima uma máquina que na época nem era digital, era daquelas com filme de 24 ou 36 poses. Chegando aqui revelei tudo, comprei um álbum com espaço para legendas e descrevi os lugares foto a foto. Acho que, sem querer, essa foi a primeira vez que fiz um relato de viagem, ainda que por meio das legendas!

Álbuns legendados
Esse esquema se repetiu na viagem seguinte, que já foi a lua-de-mel em Fernando de Noronha! Pesquisas antes de viajar, álbum de fotos cheio de legendas na volta! Quem via o álbum sempre se espantava com a quantidade de detalhes e com o quanto que eu escrevia! Em 2008 fomos para Orlando, nos Estados Unidos, e foi aí que me encantei com as possibilidades de fazer um planejamento detalhado de viagem para aproveitar ao máximo! Foram 13 dias para conhecer uma infinidade de parques e atrações em Orlando, li muito, participei de fóruns de discussão na Internet, consultei todos os sites e blogs que encontrei a respeito. Ainda assim não me senti segura para fazer meu próprio roteiro... contratamos esse serviço e foi a melhor coisa que fizemos! Sem o planejamento não teríamos conseguido aproveitar tanto!

Em 2009 fomos para o Rio Grande do Norte. A partir dessa viagem o que mudou foi que deixei de revelar fotos de viagem. Com as máquinas fotográficas digitais com uma memória capaz de armazenar milhares de fotos, passei a fotografar TANTO que batia a preguiça de selecionar aquelas que mereciam revelação. Fora que, com as redes sociais, os álbuns on line substituíram meus antigos álbuns de papel, com legendas ainda mais detalhadas que continuaram surpreendendo quem via! Eu adorava fazer isso!

Álbuns nas redes sociais
Nesse meio tempo fizemos pequenas viagens que não exigiram tanto planejamento: para Guarda do Embaú (SC)... para Ilha Grande (RJ)... para o litoral norte de SP. A viagem seguinte, em 2010, foi diferente de tudo porque foi um prêmio que meu marido recebeu no trabalho. Então foi necessário um planejamento bem menor porque viajamos com um grupo fechado e com programação definida para Cartagena das Índias, na Colômbia! Foi, enfim, no ano passado, que posso dizer que entrei para um mundo à parte dos viajantes! Antes de ir para o Chile pesquisei como nunca e fiz meu primeiro roteiro dia a dia, passo a passo, hora a hora, super detalhado! Na volta, escrevi meu primeiro relato de viagem e compartilhei no site dos Mochileiros. Fiquei abismada com a quantidade de acessos, de gente que leu, comentou, entrou em contato comigo! O mesmo aconteceu neste ano, 2012. Fomos em março para Las Vegas (EUA) e até hoje (novembro) eu não passo uma semana sem receber e-mails com comentários sobre o meu relato.

Enfim, tudo isso para explicar que ao contrário dos blogs de viagem que trazem conteúdo de uma infinidade de destinos, o “Porque tô de folga” é um blog de “gente normal”: uma pessoa que nunca foi acostumada a viajar mundo afora, que está longe de ser uma expert em turismo, que não tem informações técnicas a respeito dos destinos, que não tem grana pra simplesmente fazer uma reserva e embarcar... mas sim alguém que guarda dinheiro o ano inteiro para curtir as férias, uma viajante que descobriu por conta própria, pouco a pouco, como aproveitar ao máximo uma viagem e adora compartilhar essas experiências!

Beijos e até a próxima folga!

Um comentário:

  1. Lê estou adorando e me identificando muito com seu blog!!! Parabéns!!!

    Beijão

    Vanessa

    ResponderExcluir